• Clara Padilha

Enxaguante bucal pode reduzir benefícios da atividade física?


Artigo comentado de hoje: "Post-exercise hypotension and skeletal muscle oxygenation is regulated by nitrate-reducing activity of oral bacteria", da Revista: Free Radical Biology and Medicine. Volume 143, 1 November 2019, Pages 252-259

Cientistas estão cada vez mais interessados na relação existente entre saúde bucal e saúde sistêmica. Até aí, tudo bem.

E os benefícios dos exercícios físicos para a saúde cardiovascular, especialmente no que diz respeito à prevenção da hipertensão arterial, já foram documentados por inúmeras pesquisas. Até aí, tudo bem também.

Mas, o estudo que vamos discutir hoje afirma que esse efeito benéfico é significativamente reduzido quando as pessoas usam enxaguantes bucais no lugar de água. O estudo foi publicado no periódico Free Radical Biology and Medicine e realizado por cientistas da Universidade de Plymouth, na Inglaterra, em colaboração com o Centre of Genomic Regulation (Gabaldon's lab) em Barcelona.

De acordo com os autores, vasos sanguíneos se dilatam durante o exercício físico, melhorando o fluxo sanguíneo para os músculos ativos. Esse processo é ativado pela produção de óxido nítrico (que é um gás e, portanto, consegue dilatar os vasos).

O que ainda era um mistério era como a circulação de sangue continuava alta após os exercícios, criando uma resposta do corpo chamada de queda de pressão pós-exercício físico. Os cientistas então descobriram que o óxido nítrico se transforma em nitrato.

Essa substância era encarada como "inútil" para o corpo, agora os cientistas descobriram que ela pode ser absorvida pelas glândulas salivares e excretada pela saliva na boca.

Algumas bactérias que vivem na flora bucal convertem o nitrato em nitrito, uma molécula importante que pode aumentar a produção de óxido nítrico no organismo. E quando o nitrito da boca é engolido, parte é absorvida e convertida em óxido nítrico. Isso ajudaria a manter os vasos sanguíneos dilatados, mantendo a pressão arterial baixa após a atividade física.

Como o estudo foi feito?

- 23 adultos saudáveis, sem problemas de saúde bucais, correram em uma esteira por 30 minutos em duas ocasiões distintas.

- Após o exercício, eles foram monitorados por cerca de duas horas. Em casa ocasião, a cada um, 30, 60 e 90 minutos após o exercício físico, os participantes lavaram a boca com um enxaguante bucal antibacteriano (com 0,2% de clorexidina) ou um placebo com sabor de menta. Nem pesquisadores, nem participantes sabiam qual produto estavam utilizando.

- A pressão sanguínea dos participantes foi aferida e foram colhidas amostras de sangue e de saliva antes e 120 minutos após o exercício físico.

- Os participantes que usaram placebo tiveram uma redução de pressão média de 5.2 mmHg uma hora após o exercício físico.

- Já os participantes que usaram o enxaguante bucal tiveram uma redução média de 2.0 mmHg no mesmo período.

- Os resultados mostraram que o efeito benéfico do exercício físico na pressão arterial caiu em mais de 60% na primeira hora de recuperação, e foi totalmente eliminado duas horas após a realização da atividade física nos participantes que usaram enxaguante bucal.

Por que isso é importante?

O novo estudo revela a importância que as bactérias presentes na boca têm para a saúde cardiovascular e endossa ainda mais esta relação.

Além disso, estudos anteriores sugeriam que a maior fonte de nitrito no corpo após o exercício físico era aquele formado pelas células endoteliais (vindas do interior dos vasos sanguíneos). No entanto, a pesquisa mostra que os níveis da substância no sangue só subiram quando os participantes usaram o placebo no lugar do enxaguante bucal, indicando que as bactérias da boca são uma fonte chave para a circulação da substância por pelo menos uma hora após a realização de exercícios físicos.

Os cientistas acreditam que o próximo passo é investigar em mais detalhes os efeitos que os exercícios têm na atividade das bactérias bucais, além de analisar a composição desses microorganismos em pessoas com alto risco cardiovascular para ter mais informações sobre como tratar problemas como hipertensão arterial.

A diversidade de bactérias bucais não mudou após o exercício em nenhum tratamento, então, pra mim resta saber (e pesquisar):

- Existe um grupo de bactérias bucais específicos que consegue realizar esta proeza?

- O estudo foi realizado com clorexidine 0,2%, se usarmos um outro enxaguante com outro princípio ativo teríamos o mesmo resultado?

O slide abaixo é da aula do Prof. Matheus Silvestre (nutricionista), considerando o Nitrato como um suplemento para seus atletas. Segundo ele, o Nitrato pode ser suplementado ingerindo repolho, rúcula, alface, rabanete e, principalmente, beterraba. Para atletas de provas moderadas, não de resistência e nem de curta duração, como musculação, lutas, futebol, voleibol e tênis, por exemplo. O slide mostra um segundo estudo, que demonstra a significativa diminuição na conversão do nitrato em nitrito (e, consequentemente em oxido nítrico) em indivíduos que utilizaram enxaguante bucal.

RESUMÃO:

  • Atividades físicas são conhecidas por reduzir a pressão arterial. Mas cientistas dizem que esse efeito é prejudicado pelo uso de enxaguantes bucais;

  • Isso acontece pois as bactérias presentes na boca desempenham um papel importante na produção de substâncias que regulam a pressão arterial;

  • Os achados mostram que a síntese de nitrito por bactérias comensais orais é um mecanismo essencial para induzir a resposta vascular ao exercício durante o primeiro período de recuperação, promovendo, assim, menor pressão arterial e maior oxigenação muscular;

  • Os cientistas agora querem descobrir se esses microorganismos podem dar mais pistas sobre doenças cardiovasculares e hipertensão.


0 visualização

Quer ficar por dentro das novidades?

Se cadastra aqui: 

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon

Balneário Camboriú - SC

(47) 9 9158 3050