• Clara Padilha

Como os pais acabam encorajando o doping - mesmo sem saber!

O uso de medicamentos ilegais para aumento de desempenho por atletas em idade escolar está aumentando, levando os pesquisadores a investigar como as crianças desenvolvem atitudes positivas ou negativas sobre o doping.


gif

Enquanto muitos especialistas atribuem a culpa aos atletas de elite e profissionais que se envolvem em comportamentos positivos em relação ao doping, as pesquisas indicam que pais, treinadores, colegas e motivações pessoais desempenham papeis mais substanciais.


Ainda mais preocupante, pesquisas recentes sugerem que os pais podem, inadvertidamente, incentivar atitudes positivas em relação ao doping, mesmo quando são pessoalmente contra os medicamentos que causam aumento de performance.


Como as crianças aprendem a aceitar o doping:

Uma ampla gama de fatores influenciam a forma como os jovens atletas formam seus pontos de vista sobre o doping.


SUCESSO

gif

Atletas que acreditam que o sucesso ou o fracasso no esporte se devem a fatores externos (equipamentos, recursos etc.) têm mais chances de considerar o doping como uma opção. Particularmente, um estudo de 2014 de Barkoukis indica uma crença de que o engano (trapaça ou doping) é um componente aceitável para alcançar o sucesso (por exemplo, “ninguém vence sem ele”) ou que é fator imprescindível para alcançar o sucesso (“todo mundo faz”). Por outro lado, os atletas que acreditam que o esforço e o domínio das habilidades são as causas do sucesso no esporte têm maior probabilidade de ter pontos de vista negativos sobre trapaça e doping.


LUGAR DE CONTROLE INTERNO / EXTERNO


O lócus de controle de uma pessoa é o grau em que ela acredita ter controle sobre os eventos e fatores que determinam os resultados na vida. Crianças com alto nível de controle interno têm uma forte crença de que podem tomar decisões que moldam os resultados alcançados. É mais provável que essas crianças vejam o esforço e a maestria como as causas do sucesso no esporte, e têm maior capacidade de resistir à pressão para trapacear.


Crianças com alto nível de controle externo acreditam que não têm a capacidade de tomar decisões e afetar os resultados. Quando eles não acreditam que têm controle sobre o que acontece com eles, eles também tendem a não acreditar que os atletas são bem-sucedidos por causa de esforço e domínio e, portanto, têm mais probabilidade de ver o engano e a trapaça como um caminho provável e aceitável para o sucesso.


DESENVOLVIMENTO MORAL

Todos nós já vimos ou ouvimos histórias sobre pessoas fazendo algo totalmente contrário aos padrões morais e encontrando uma maneira de justificar o comportamento. Os psicólogos se referem a esse comportamento como desengajamento moral. Um estudo de 2008 de Lucidi inclui uma lista útil de justificativas que as pessoas usam, dizendo: "A conduta prejudicial pode ser avaliada como aceitável porque:


  • Serve a propósitos socialmente dignos ou morais (justificação moral).

  • É minimizado ou distorcido por meio da linguagem (eufemismo e linguagem complicada)

  • É comparado com desumanidades mais flagrantes (comparação exonerativa).

  • É removido da responsabilidade pessoal (deslocamento e difusão de responsabilidade).

  • Seus efeitos sociais são mal interpretados, ignorando, minimizando e distorcendo as consequências nocivas da conduta (deturpando o dano).

  • A responsabilidade é atribuída a outras pessoas ou vítimas (atribuição da culpa).


Neste estudo de Lucidi, 762 adolescentes italianos fizeram questionários de avaliação relacionados às suas opiniões sobre doping e depois fizeram questionários de comportamento três meses depois. Os resultados alinhados com pesquisas internacionais que mostram o uso de medicamentos por adolescentes são raros, mas consistentes em cerca de 2% dos adolescentes (14% dos adolescentes usaram suplementos durante o mesmo período, o que também foi consistente com outros estudos).


Os questionários de avaliação incluíram perguntas sobre como os participantes agiriam em dilemas morais hipotéticos, e como e se justificariam decisões que infringissem as regras. Eles descobriram que os adolescentes que expressaram maior desinteresse moral também concordaram com a afirmação "Em comparação aos efeitos prejudiciais do álcool e do tabaco, o uso de substâncias ilícitas não é tão ruim".


Como o comportamento dos pais incentiva o doping:

Os pais exercem muita influência sobre os fatores que influenciam a visão das crianças sobre o doping e, consequentemente, a probabilidade de eles usarem substâncias dopantes. O que é importante observar é que não são apenas suas opiniões diretas sobre os medicamentos que importam. Mesmo sendo veementemente contra drogas que aumentam o desempenho, inadvertidamente, incentivam o uso delas por meio de outras interações com seus filhos.


Como? Assim:


PRESSÃO PARA SER PERFEITO


gif

Um estudo de 2015 de Madigan examinou o efeito do perfeccionismo nas atitudes em relação ao doping em atletas juniores e constatou que dos quatro aspectos do perfeccionismo no esporte - esforços perfeccionistas (desejo próprio de buscar a perfeição), preocupações perfeccionistas (desejo próprio de evitar erros), pressão dos pais para ser perfeita e pressão do treinador para ser perfeita - somente a pressão dos pais teve um efeito positivo direto nas atitudes dos atletas juniores em relação ao doping. Por outro lado, os esforços perfeccionistas e a pressão do técnico para ser perfeito tiveram efeitos negativos nas atitudes dos atletas em relação ao doping. O último pode parecer estranho, mas o estudo constatou que a pressão do treinador aumentou o desejo dos atletas de ter o melhor desempenho (aumento dos esforços perfeccionistas) e que o aumento dos esforços perfeccionistas levou os atletas a ter uma atitude mais negativa em relação ao doping.

DESENVOLVIMENTO MORAL


gif

A bússola moral dos pais desempenha um papel importante no estabelecimento da bússola moral dos filhos. Quanto mais os pais encontram maneiras de justificar o desengajamento moral, mais os filhos aprendem a justificar a violação das regras. Mesmo os pais sendo contra as drogas que melhoram o desempenho, sua disposição de desconsiderar os padrões morais em outras áreas (elogiando atletas de elite presos pelo uso de substâncias, sonegando impostos, infringindo leis, violando leis de trânsito, cometendo fraudes de seguros, etc.) pode, inadvertidamente levar os filhos a ter mais atitudes positivas em relação ao doping. No estudo Lucidi, as crianças que expressaram maior desinteresse moral tinham atitudes mais positivas em relação ao doping.


SUPERPROTEÇÃO


gif

As crianças que acreditam que podem controlar as decisões que afetam suas vidas são menos propensas a ter atitudes positivas sobre o doping e são mais propensas a resistir às pressões externas para trapacear. Isso significa que é menos provável que seu filho faça uso de medicamentos se acreditar que tem propriedade sobre, ou pelo menos influência genuína nas escolhas que afetam suas vidas. Quando os pais falham em incluir seus filhos na tomada de decisões em torno de atividades e objetivos, diminui a crença deles de que eles podem tomar decisões por si mesmos, e isso os torna mais propensos a deixar alguém convencê-los a tomar drogas para melhorar o desempenho (ou fazer outras escolhas negativas) . É tentador acreditar que apenas "pais de hóquei", "mães de futebol" ou "famílias de futebol" obcecados por esportes podem incentivar jovens atletas a usar medicamentos dopantes. A realidade é que existem maneiras mais sutis de os pais inadvertidamente encorajarem o doping pelas pressões que exercem sobre as crianças, pelas próprias justificativas para violar regras fora do esporte e pelas tendências de tomar decisões por nossos filhos, em vez de incluí-los nessas decisões.

Referências:


Vassilis Barkoukis, Lambros Lazuras & Haralambos Tsorbatzoudis (2014) Beliefs about the causes of success in sports and susceptibility for doping use in adolescent athletes, Journal of Sports Sciences, 32:3, 212-219, DOI: 10.1080/02640414.2013.819521


Fabio Lucidi , Arnaldo Zelli , Luca Mallia , Caterina Grano , Paolo M. Russo & Cristiano Violani (2008) The social-cognitive mechanisms regulating adolescents’ use of doping substances, Journal of Sports Sciences, 26:5, 447-456, DOI: 10.1080/02640410701579370


Daniel J. Madigan, Joachim Stoeber & Louis Passfield (2015): Perfectionism and attitudes towards doping in junior athletes, Journal of Sports Sciences, DOI: 10.1080/02640414.2015.1068441

Quer aprender mais sobre doping?



Acesse nosso e-book e aprenda tudo sobre doping e suas conexões com a Odontologia!

27 visualizações

Quer ficar por dentro das novidades?

Se cadastra aqui: 

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon

Balneário Camboriú - SC

(47) 9 9158 3050