• Clara Padilha

Quando o esporte profissional deve recomeçar com segurança durante a Pandemia do COVID-19?

Autora: Larissa Leci

Mestranda em Odontologia Unicsul


Em dezembro de 2019, em Wuhan, Hubei-China, iniciou um surto de pneumonia por causa desconhecida, apresentando sintomas clínicos semelhantes à pneumonia viral. Após analisar amostras obtidas do trato respiratório, o patógeno foi identificado como um novo coronavírus, síndrome grave respiratória por coronavírus-19 (SARS-CoV-2).


Rapidamente o vírus se espalhou pelos países e posteriormente para o mundo, sendo considerado uma pandemia, o que forçou os governos a impor uma quarentena quase global.

Inicialmente, apesar do fenômeno do surto, o esporte profissional não foi interrompido e, em 11 de março de 2020, o primeiro jogador de futebol pertencente à série A Italiana deu positivo para o coronavírus. No dia seguinte, outros cinco jogadores e um médico da equipe haviam sido contaminados. E gradualmente, todas as competições esportivas foram adiadas e qualquer treinamento esportivo foi banido.

A saúde dos atletas, treinadores e espectadores tornou-se uma prioridade. As principais competições locais e internacionais, como o Campeonato Europeu de Futebol e os Jogos Olímpicos de Tóquio, foram adiadas. Essa crise global incomum causou uma grande perturbação organizacional, financeira e social para atletas, treinadores, clubes e federações esportivas.

Todas as equipes permitiram que seus atletas voltassem para casa, onde estão em isolamento obrigatório, seguindo as diretrizes do governo. O isolamento, não permite que os atletas sigam o treinamento habitual e impedem a programação das competições.

As medidas preconizadas pela OMS e implementadas pelos governos, salvarão milhões de vidas, mas o isolamento pode ter um impacto significativo no estado físico e mental de um atleta.


Permanecer em quarentena pode ter efeitos negativos, não apenas na maioria dos sistemas fisiológicos, mas também na vida dos jogadores. Por exemplo, o isolamento em casa pode levar a uma nutrição inadequada, má qualidade do sono, vícios, solidão, ausência de treinamento e competição organizadas, comunicação limitada entre atletas e treinadores, incapacidade de se mover livremente, falta de exposição solar e condições inadequadas de treinamento.

Além disso, em esporte de contato, os atletas frequentemente estão em contato próximo com os companheiros de equipe durante suas atividades diárias. Esses fatores colocam os alguns esportes (por exemplo, golfe e ciclismo) onde o distanciamento social é possível e outros (como futebol e rugby) onde não é possível. Por esses motivos, a profissão como jogador de futebol, não permite o cumprimento das regras normais de proteção recomendadas pela OMS.

Também deve ser considerado que reuniões em massa, como um grande número de participantes e principalmente multidões que participam de eventos esportivos, aumentariam o risco de transmissão do COVID-19.


As viagens (uso de aeroportos e hotéis) também aumentam o risco, embora isso não seja diferente das viagens para outros fins. Para o esporte profissional retornar em um futuro próximo, os organizadores do evento devem aceitar que a avaliação de risco seja realizada e que medidas sejam tomadas para garantir que os riscos do evento sejam menores que os benefícios.


Apesar desses argumentos, provavelmente o mundo do esporte tentará retomar as atividades em breve. Alguns clubes de futebol estão solicitando a retomada das atividades de treinamento para não perder a aptidão física.

Como publicou o UOL Esporte na manhã de ontem (17/05/2020), o Ministério da Saúde sinalizou um parecer positivo para a retomada das atividades do futebol, mas nem todos os estados devem seguir esse movimento de aceleração da volta do esporte. As federações, no entanto, têm intenção de terminar as competições estaduais em campo.

A OMS destaca cinco questionamentos principais na determinação do risco:



1. O evento será realizado em um país que documentou a transmissão local ativa do COVID-19? (Atualmente quase todos os países, possuem casos confirmados) 2. O evento será realizado em um único local ou em vários locais / cidades / países? 3. O evento incluirá participantes internacionais (atletas e torcidas) de países que documentaram a transmissão local ativa do COVID-19 (divulgação na comunidade)? 4. O evento incluirá um número significativo de participantes (atletas ou torcidas) com maior risco de doença COVID-19 grave (por exemplo, pessoas com mais de 65 anos de idade ou pessoas com condições limitadas de saúde)? 5. O evento incluirá esportes que são considerados com maior risco de propagação COVID-19 (por exemplo, esportes de contato)?

Após este questionamento, as sociedades esportivas e os diretores dos clubes deverão analisar se os atletas estarão seguros após a retomada.

Para retornarem, será necessária uma estreita ligação com os participantes, o governo local / nacional, as autoridades de saúde pública e medidas de prevenção.

Os organizadores do evento devem:

1. Minimizar o risco de transmissão para todos os grupos de participantes de eventos esportivos. 2. Trabalhar para garantir testes precisos prontamente disponíveis, sem retirá-los dos sistemas de saúde dos que mais precisam.

3. Ser capaz de contatar com precisão o rastreamento.

Outras etapas importantes incluem as organizações esportivas individuais que produzem orientações sobre o retorno às restrições pós-treinamento, políticas e procedimentos para testes e gerenciamento de atletas diagnosticados com COVID- 19, reconhecendo que a ciência está evoluindo rapidamente.

Para nós dentistas do esporte também existem regulamentos que devem ser seguidos. Devemos seguir as recomendações da OMS, do conselho Federal de Odontologia e seu respectivo conselho regional. Sabemos que a saliva tem um papel fundamental na transmissão entre as pessoas.

Trazer nossos atletas de volta ao treinamento pode ainda expor os atletas a um novo episódio, com todas as consequências que isso implica. Nesse contexto de incerteza e múltiplas respostas possíveis ao fenômeno, é necessário que a comunidade de médicos do futebol estabeleça condições seguras uniformes para retomar as atividades esportivas em um futuro próximo, em observância ao princípio da "máxima cautela".


O profissional de Odontologia é constantemente exposto a secreções do trato respiratório, como sangue, saliva e outros fluidos corporais que podem estar contaminados. Assim, os dentistas correm maior risco de serem infectados. Devido a características específicas dos procedimentos odontológicos, as práticas devem ser suspensas durante a pandemia. O tratamento odontológico só deve ser realizado em casos urgentes e sempre devem ser adotadas medidas estritas de proteção individual.

Por fim, existe uma forte oposição dos médicos do esporte, principalmente das equipes da Série A, para aconselhar fortemente a não retomar a atividades esportivas antes que a emergência do COVID-19 tenha claramente melhorado.


Nesse contexto, a retomada do esporte profissional portanto, pode colocar em risco a saúde dos atletas, devido ao contato entre jogadores, aglomerações em torcidas, e em caso de lesão ou doença, que podem não ser tratados idealmente por hospitais sobrecarregados por pessoas afetadas pelo COVID-19.


Referências

Carmody S, Murray A, Borodina M, et al. Br J Sports Med Epub ahead of print: <doi:10.1136/bjsports-2020-102539> Accepted 29 April 2020 Br J Sports Med 2020;0:1–3. doi:10.1136/bjsports-2020-102539

Jukic, I., Calleja-González, J., Cos, F., Cuzzolin, F., Olmo, J., Terrados, N., … Alcaraz, P. E. (2020). Strategies and Solutions for Team Sports Athletes in Isolation due to COVID-19. Sports, 8(4), 56. doi:10.3390/sports8040056

Corsini A, Bisciotti GN, Eirale C, et al. Br J Sports Med Epub ahead of print: [please include Day Month Year]. doi:10.1136/bjsports-2020-102306 Accepted 20 March 2020 https://www.uol.com.br/esporte/futebol/ultimas-noticias/2020/05/02/coronavirus-40-dos-times-da-serie-a-comecam-a-voltar-aos-treinos.htm?cmpid=copiaecola (acessado dia 18/05/2020 ás 11:00)

Huang, C., Wang, Y., Li, X., Ren, L., Zhao, J., Hu, Y., … Cao, B. (2020). Clinical features of patients infected with 2019 novel coronavirus in Wuhan, China. The Lancet. doi:10.1016/s0140-6736(20)30183-5

Jin Y, Wang M, Zuo Z, Fan C, Ye F, Cai Z, Wang Y, Cui H, Pan K, Xu A, Diagnostic value and dynamic variance of serum antibody in coronavirus disease 2019, International Journal of Infectious Diseases (2020), doi: https://doi.org/10.1016/j.ijid.2020.03.065

World Health Organisation. Be active during COVID-19- press Briefing. World health organisation, 2020. Available: https://www.who.int/news-room/ q-a-detail/be-active-during-covid-19 [Acesado dia 18 Maio 2020].

27 visualizações

Quer ficar por dentro das novidades?

Se cadastra aqui: 

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon

Balneário Camboriú - SC

(47) 9 9158 3050