Como o estresse pode influenciar no rendimento do atleta

March 6, 2019

 

Já sabemos que o esporte modifica o nosso organismo, causando adaptações metabólicas, hormonais e neuromusculares. Sabemos também que a prática de exercícios físicos pode auxiliar na qualidade de vida do ser humano, desde que sejam respeitados alguns princípios.

 

O treino deve ser modificado conforme a necessidade e objetivo do atleta, já que uma relação inadequada de volume e intensidade pode levar a uma situação indesejada de estresse corporal excessivo.

 

E isso ninguém quer, certo?

 

 

 

Entre os hormônios liberados durante o estresse está o cortisol, que é o glicocorticóide mais potente produzido no córtex da glândula supra-renal. Em decorrência disso surgem alguns sintomas, dentre eles: 

  1. Atenua ações de células do sistema imunológico e das células inflamatórias, gerando uma imunossupressão;

  2. Diminui a formação óssea;

  3. Age como um antagonista fisiológico da insulina, promovendo a quebra das moléculas de carboidratos, lipídeos e proteínas, mobilizando as reservas energéticas;

  4. Aumenta a glicemia e a produção de glicogênio pelo fígado;

  5. Aumenta a pressão arterial. 

Essas funções são a base das consequências fisiológicas do estresse crônico, podendo gerar uma perda muscular (oh no!) e hiperglicemia, além de suprimir as respostas inflamatórias e imunes.

 

O efeito depressivo do sistema imune inicia de 3-24horas após o exercício, dependendo da intensidade e duração.

 

Cadore observou em seu estudo que houve um aumento significativo de cortisol nos treinos de maior volume (exercício contínuo, prolongado), diferentemente dos treinos de força e que se deve levar em consideração também a idade do atleta, pois a resposta do cortisol salivar após exercícios de resistência na água foram maiores em jovens do que em idosos, dado que os jovens realizam o exercício físico com uma carga fisiológica maior. 

 

 

 

Conseguimos perceber que o exercício em excesso e constante altera de forma crônica a função imune e ai surge a teoria do “OPEN WINDOW”, que é que a queda das nossas defesas por um período de 1-9horas após o overtraining.

 

Podemos usar como exemplos atletas de “endurance” que tem treinos longos e desgastantes, diariamente. 

 

Mas e onde o cirurgião-dentista entra nessa história?

 

Os cirurgiões-dentistas conseguem auxiliar para que o atleta volte logo aos treinos ou aumente seu rendimento, visto que qualquer distúrbio na saúde oral pode prejudicar seu desempenho. Como? 

 

Atletas com inflamações ou infecções bucais apresentam uma cicatrização e cura mais lenta, uma diminuição da capacidade aeróbica, dores de cabeça e fadiga precoce. No caso de lesões musculares, a dificuldade de recuperação e a ocorrência tornam-se mais frequentes.

 

Bem como, a queda na imunidade do atleta pode agudizar algumas doenças, como a cárie, levando ao não aproveitamento do alimento ingerido pelo comprometimento na mastigação, provenientes das dores de dente.

 

Além disso, o estresse crônico aumenta de forma significativa a perda óssea, provocada pela doença periodontal (gengiva), que pode gerar inclusive a perda de dentes!

 

 

 

 

 

Referências:

 

CADORE, E.L et al. Fatores relacionados com as respostas da testosterona e do cortisol ao treinamento de força. Rev BrasMed Esporte. V. 14, n.1, p 74-78. Jan/Fev 2008.

 

CADORE, E.L et al. Salivary hormonal responses to diferente water-based exercise protocols in young and elderly man. Journal of Streght and Conditioning Research. V. 23, n.9, p 2965-2071. Dec 2009.

 

__________________________________________________________________________________________________

 

Este artigo faz parte da coleção "Meninas da Odt do Esporte - 2019" . #1 

 

Gostou do artigo? Quer sugerir algum tema? Deixe seu comentário! 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Livros que todo cirurgião-dentista do esporte deve ler!

February 18, 2019

1/4
Please reload

Posts Recentes

August 13, 2019

Please reload

Arquivo