*Artigo comentado: Barodontalgia, dental and orofacial barotraumas - A survey in swiss divers and caisson workers

March 27, 2019

Leia o artigo original aqui: ARTIGO ORIGINAL

 

 

A mudança de pressão atmosférica pode levar a modificações em cavidades corpóreas que sejam preenchidas com ar. No caso de episódios de dor de dente relacionadas a diferença de pressão são chamadas de barodontalgia. Para ser considerado barodontalgia, esse dente não deve ter apresentado dor antes. 

 

Barotrauma são injúrias nos dentes e restaurações induzidas por essa diferença de pressão também. 

 

 

Alguns profissionais que trabalham em situações com diferença de pressão: 

 

- mergulhadores (profissionais, bombeiros, policiais, militares, atletas, zoólogos, oceanógrafos)

- montanhistas 

- mineiros 

- construtores de túneis (tuneleiro/engenheiros/operadores de máquinas)

- pilotos e tripulação aérea 

- paraquedistas/parapentista

- ? (Lembra de mais algum?)

 

 

 

Porém, o processo fisiopatológico ainda não está completamente elucidado.

 

Este artigo, de autores suíços, avaliou 520 sujeitos que se submetiam a diferença de pressão, sendo destes, 499 mergulhadores profissionais, para relacionar os sintomas dentários e orofaciais que ocorrem como resultado dessa diferença barométrica. Eles conseguiram essas informações por meio da aplicação de questionários. 

 

O artigo inicia explicando a Lei de Boyle-Mariotte (geralmente citada somente como Lei de Boyle) que enuncia que a pressão absoluta e o volume de uma certa quantidade de gás confinado são inversamente proporcionais se a temperatura permanece constante em um sistema fechado (como numa seringa com êmbolo).

 

 

15% dos entrevistados relataram ter experenciado problemas dentários como dor (10,2%), fraturas de restauração, coroas e perda de fragmentos dentários (6,3%) com ou sem dor. 

 

11,3% relataram problemas na ATM e irritações mucosas relacionadas ao dispositivo bucal utilizado para a respiração. 

 

Muitos autores  assumem que essas injúrias dentárias e orofaciais ocorrem concomitantemente a restaurações defeituosas e lesões periapicais, periodontais, infecções, infiltrações e cistos. 

 

A dor é relatada como severa, pontual, aguda e aparece geralmente na subida (em caso de mergulhadores), em algumas situações afetando a atividade em si. O artigo explica que pode acontecer inclusive em dentes com tratamento endodôntico. 

 

O gás utilizado na respiração não influenciou na prevalência de dor dentária. 

 

Os autores concluem (e entregam na tabela 4) que para estes pacientes dentistas devem fazer recomendações específicas e também sugere o tempo de recuperação após procedimentos odontológicos, que impediriam o atleta de mergulhar. Finalizam o artigo enfatizando a necessidade de consultas regulares para prevenir o barotrauma ao substituir as restaurações de amálgama por exemplo, por restaurações que permitem maior adesão. 

 

Importante salientar que a maioria destes profissionais que sofrem de alergias ou de resfriados constantes têm o seu próprio remédio para tratar de seus sintomas. Contudo, cada medicamento é indicado para sintomas específicos, têm efeitos colaterais e somente trata os sintomas e não a causa. 

 

 

Por hoje é isso pessoal, semana que vem temos um novo artigo por aqui!

 

 

 

beijos, Clara 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Livros que todo cirurgião-dentista do esporte deve ler!

February 18, 2019

1/4
Please reload

Posts Recentes

August 13, 2019

Please reload

Arquivo