Doenças periodontais em atletas: existe correlação com a saúde sistêmica?

October 18, 2019

As doenças periodontais são agravos prevalentes na população atlética e esta alta morbidade indica que os cuidados estão sendo subestimados não apenas pelos profissionais da saúde, mas pelos próprios atletas e equipe de suporte.

 

Em revisão sistemática, Ashley et al., (2015), demonstraram que doenças periodontais moderadas a severas acometeram 15% dos pacientes do estudo e a gengivite foi encontrada em 76% dos atletas avaliados.

 

Seria pretensioso preocupar-se com a saúde geral do atleta e sua performance, tendo em vista uma doença periodontal instalada? Sabe-se que existem correlações entre doenças sistêmicas e as periodontites por três principais mecanismos de ação:

1) pela bacteremia transitória,

2) pela liberação de lipopolissacarídeos das bactérias gram-negativas periodontais

3) e pelas reações inflamatórias crônicas e agudas que os complexos antígeno-anticorpo decorrentes das infecções periodontais promovem.

 

Curiosamente, já foi atribuída uma correlação inicial entre índice de placa, profundidade de sondagem e lesões musculares em jogadores profissionais do clube Barcelona FC. É necessário que mais pesquisas avaliem essas correlações e seus mecanismos, porém, esse achado já faz com que nos atentemos para a possível influência sistêmica (mesmo que remota) que os agravos periodontais podem trazer.

 

Importante também de ser salientado é o fenótipo gengival que pode ser encontrado derivado do uso de anabolizantes, que tende a ser hiperplásico. Isso porque existem receptores específicos para androgênios estão presentes em fibroblastos gengivais, que duplicam de número em tecido gengival inflamado. Estas células são estimuladas a secretar colágeno e proteoglicanos na presença do metabólito principal da testosterona. 

 

Além disso, o risco a periodontite severa aumentado com o uso de anabolizantes pelo aumento da proporção de bactérias gram-negativas em comparação com não usuários. Assim, além da preocupação com a saúde sistêmica, as suspeitas de uso e abuso de anabolizantes podem ser iniciadas a partir de um bom exame físico. 

 

Não apenas essas particularidades podemos encontrar com a comunidade atlética e a periodontia. A microbiota local, o fluido crevicular, os fibroblastos e o exame físico dos tecidos periodontais têm muito a contribuir.

 

Existem muitos campos a serem pesquisados, por exemplo:  os níveis de cortisol foram evidenciados como fator de risco para a doença periodontal, e estes tendem a ser aumentados em atletas que se encontram em épocas de competição. Também podemos salientar o papel protetor do estrógeno para a progressão de doenças periodontais e a preocupação com a tríade da mulher atleta, se a doença periodontal for um achado clínico. 

 

Visto isso, o estudo da Odontologia do esporte com enfoque periodontal mostra-se essencial. Na área da morbidade, com a pesquisa de se existem fatores de risco associados ao exercício físico (extenuante, ou não) que possam aumentar o risco ao desenvolvimento e progressão dessas doenças (e se eles existem) e seus efeitos e mecanismos. Também na área de diagnóstico: o que os achados clínicos periodontais que podem dizer sobre a condição sistêmica e uso de substâncias pelo atleta. Ou até mesmo se esta alta prevalência é resultado de apenas má higiene oral. 

 

Independente da resposta, as estratégias de educação em saúde, vigilância continuada e acompanhamento clínico das condições bucais do atleta são imprescindíveis e devem ser mais preconizados no cuidado da saúde geral dos atletas. Portanto, faz-se importante a inclusão da documentação de índices periodontais e de placa no prontuário do paciente, além das instruções básicas de saúde bucal, uma vez que estas condutas e dados estão (aparentemente) sendo negligenciados pelos profissionais da saúde bucal.

 

Li X, Kolltveit KM, Tronstad L, Olsen I. Systemic diseases caused by oral infection. Clin Microbiol Rev. 2000;13(4):547–558. doi:10.1128/cmr.13.4.547-558.2000

 

Gay-Escoda G, Vieira-Duarte-Perreira DM, Ardèvol J, Pruna R, Fernandez J, Valmaseda-Castellón E. Study of the effect of oral health on the physical condition of professional soccer players of Football Club Barcelona. Med Oral Patol. 2011;16:e436–9. doi: 10.4317/medoral.16.e436. 

 

Solleveld H, Goedhart A, Vanden Bossche L. Associations between poor oral health and reinjuries in male elite soccer players: a cross-sectional self-report study. BMC Sports Sci Med Rehabil. 2015;7:11. Published 2015 Apr 20. doi:10.1186/s13102-015-0004-y

 

Needleman I, Ashley P, Petrie A, et al. Oral health and impact on performance of athletes participating in the London 2012 Olympic Games: a cross-sectional study. Br J Sports Med. 2013;47(16):1054–1058. doi:10.1136/bjsports-2013-092891

 

Kersey RD, Elliot DL, Goldberg L, et al. National Athletic Trainers' Association position statement: anabolic-androgenic steroids. J Athl Train. 2012;47(5):567–588. doi:10.4085/1062-6050-47.5.08

 

Brusca MI, Verdugo F, Amighini C, Albaina O, Moragues MD. Anabolic steroids affect human periodontal health and microbiota. Clin Oral Investig. 2014 Jul;18(6):1579-86. doi: 10.1007/s00784-013-1126-9. Epub 2013 Nov 13. PubMed PMID:24221579.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Livros que todo cirurgião-dentista do esporte deve ler!

February 18, 2019

1/4
Please reload

Posts Recentes

August 13, 2019

Please reload

Arquivo