• Clara Padilha

Ansioso (a)? Estressado (a)? : Como funciona a nossa resposta ao estresse?

Atualizado: Mar 26

*Esse artigo é material de apoio para a turma de Odontologia do Esporte 2020.1 da Faculdade Odontologia - Uniavan


O estresse é A palavra na sociedade moderna. A maioria de nós passa muito tempo sentindo ou tentando aliviá-lo, ou ambos. Sempre associando o Estresse a algo negativo e exaustivo.


Sendo que, na essência, o estresse é sobre como o corpo reage a uma ameaça em potencial. O que pode ser qualquer coisa que nos tire do "equilíbrio". Inclusive o exercício físico.


A resposta de luta ou fuga (ou luta-fuga-congelamento), também conhecida como estágio de "alarme" da resposta ao estresse, existe por uma boa razão - prepara o corpo para lidar com o perigo (como por exemplo ultrapassar um feroz animal que está tentando comê-lo ou lutando contra uma pessoa da caverna que vem com uma lança). Depois que o perigo passa, o corpo volta ao seu estado basal. E nós fomos feitos para lidar com esse estresse agudo. O problema é quando ele nunca vai embora, quando ele cronifica.


O estresse crônico, então, acontece quando o corpo está constantemente respondendo ao estresse e permanecendo nesse estado por muito tempo e que causará danos ao corpo ao longo do tempo.

Esse tipo de resposta crônica ao estresse ocorre com muita frequência em nosso estilo de vida moderno. Tudo, desde trabalhos sob alta pressão até solidão e tráfego intenso, pode manter o corpo em um estado de ameaça percebida e estresse crônico.

Nesse caso, nossa resposta de luta ou fuga, sendo acionada constantemente, pode desgastar nosso corpo e nos tornar doentes, fisicamente ou emocionalmente.

Por exemplo, em tempos de estresse crônico, o corpo está em constante estado de excitação fisiológica devido a ameaças percebidas que são numerosas e não ameaçam a vida, e a resposta de relaxamento do corpo nem sempre tem tempo para ser ativada antes que o próximo estressor ocorra.


Isso diminuirá a imunidade e aumentos de consequências emocionais negativas, como ansiedade e esgotamento. Quando nosso corpo está nesse estado de estresse crônico, as pessoas começam a ficar doentes e talvez com outros problemas de saúde, incluindo pressão alta, úlceras estomacais e outros problemas. Hoje, falaremos sobre esses dois tipos de estresse: a resposta clássica de luta ou fuga (estresse agudo), bem como o que acontece quando seu corpo experimenta estresse persistente (crônico).


Conheça as glândulas supra-renais:

Quando se trata da resposta ao estresse do corpo, as glândulas supra-renais (supra, que significa acima, do rim) são as estrelas do show, são "os chapéus de festa dos rins", que é uma descrição bastante adequada, considerando sua forma pontuda e o fato de que estão sentados um em cima de cada rim.



Cada glândula adrenal tem duas partes principais: um córtex externo, que constitui a maioria da glândula, e uma medula interna. O córtex é composto de tecido epitelial glandular, enquanto a medula é feita de tecido nervoso. Diferentes regiões do córtex produzem uma variedade de hormônios diferentes, incluindo mineralocorticóides (que afetam o balanço hídrico e mineral), glicocorticóides (que afetam os níveis de glicose) e gonadocorticóides (hormônios sexuais adrenais). O cortisol é um glicocorticóide liberado durante a parte posterior da resposta ao estresse.


A parte medular produz adrenalina / epinefrina (E) e noradrenalina / norepinefrina (NE). A adrenalina é o principal hormônio que interage com o sistema nervoso simpático na parte inicial da resposta de luta ou fuga.

A resposta AGUDA ao estresse:


Agora que você conhece um pouco as glândulas supra-renais, vamos ver o passo a passo a resposta de luta ou fuga.


Quando seus sentidos percebem um evento perigoso ou ameaçador, isso faz com que a amígdala - parte do sistema límbico envolvido na memória e na emoção - toque o primeiro alarme. Basicamente, a amígdala pressiona o grande botão vermelho “PÂNICO”.




O hipotálamo, um participante importante no sistema endócrino, vê esse farol e reúne os soldados para ajudar - isto é, ativa o sistema nervoso simpático.


Isso, por sua vez, sinaliza as glândulas supra-renais para secretar epinefrina e noradrenalina na corrente sanguínea.

Human Anatomy Atlas. A liberação de adrenalina ajuda o corpo a responder ao perigo de várias maneiras. Os bronquíolos nos pulmões se expandem e a taxa de respiração aumenta, permitindo maior ingestão de oxigênio. O coração bate mais rápido, causando um aumento no fraquência e na pressão sanguínea. Tudo isso é para que os músculos e o cérebro possam obter todo o sangue (e, portanto, oxigênio), para que funcionem de maneira ideal.


Outras mudanças fisiológicas que ocorrem durante a resposta de luta ou fuga são a dilatação das pupilas e o aumento da tensão nos músculos enquanto eles se preparam para se mover.


A digestão e as funções reprodutivas são suprimidas.




É fácil lembrar do papel da epinefrina na resposta ao estresse? Pense no que uma EpiPen (uma injeção de epinefrina) faz para combater uma reação alérgica grave.


Enquanto a anafilaxia contrai as vias aéreas e diminui a pressão sanguínea, a adrenalina da EpiPen relaxa os músculos das vias aéreas, ajudando-os a expandir e contrai os vasos sanguíneos, aumentando a pressão arterial. Também aumenta a frequência cardíaca e o fluxo sanguíneo para o coração.

Ok, voltando à resposta ao estresse a curto prazo. Se a ameaça percebida permanecer além da primeira onda de adrenalina, um sistema chamado eixo HPA entrará em ação para ajudar o corpo a ficar alerta e pronto para a ação. HPA é um acrônimo super útil - não apenas representa as glândulas hipotálamo, hipófise e adrenal, mas também porque estão na ordem correta.


Human Anatomy Atlas.

O hipotálamo inicia essa parte da resposta ao estresse liberando um hormônio chamado CRH (hormônio liberador de corticotropina). Esse hormônio sinaliza a hipófise para liberar outro hormônio chamado ACTH (hormônio adrenocorticotrópico). O ACTH viaja através da corrente sanguínea da glândula hipofisária e sinaliza as glândulas supra-renais para liberar cortisol, que você também conhece como "o hormônio do estresse".


O cortisol ajuda a fornecer ao corpo a energia necessária para permanecer em alerta por um pouco mais, sinalizando vários órgãos no corpo para fazer alterações que afetam os níveis de glicose no sangue.

Quando os níveis de cortisol são altos, o fígado aumenta a gliconeogênese, a produção de glicose a partir do glicogênio armazenado. Da mesma forma, o tecido adiposo responderá a altos níveis de cortisol, aumentando a lipólise, a quebra de gorduras em glicerol e ácidos graxos. O aumento do cortisol faz com que o pâncreas diminua os níveis de insulina e aumente o glucagon. Percaba que todas essas tarefas são CATABÓLICAS.



Recuperação


Digamos que você tenha uma resposta de luta ou fuga enquanto dirige seu carro e você precisa desviar repentinamente de um cachorro para evitar um acidente.


Você provavelmente reagirá em uma fração de segundo e sentirá esse aumento na frequência cardíaca e na respiração.


Talvez suas mãos fiquem um pouco trêmulas e você sinta um formigamento pelo corpo enquanto você continua dirigindo. Agora que a ameaça passou, no entanto, seu corpo está livre para se acalmar. A recuperação de uma resposta ao estresse agudo (todos os dias) geralmente leva entre 20 e 30 minutos. De acordo com o modelo de síndrome de adaptação geral das respostas ao estresse, o período em que o corpo começa a desacelerar a partir de uma resposta de luta ou fuga é chamado de fase de resistência. Os níveis de cortisol caem, o sistema nervoso simpático diminui sua atividade e o parassimpático pode retomar suas funções de "descanso e digestão".


Se o corpo não conseguir se recuperar, acabará ficando exausto, causando fadiga, depressão e ansiedade. É quando o estresse pode assumir sua forma mais terrível: o estresse crônico. Assista essa explicação na forma de animação para cristalizar ainda

mais esse conteúdo:


O perigo é: o estresse crônico!


O estresse crônico ocorre quando o corpo está constantemente respondendo ao estresse e não é capaz de se recuperar completamente.


O cortisol permanece alto mesmo por longos períodos de tempo. Trabalhos de alta pressão, dificuldades financeiras, problemas de relacionamento e trauma são apenas algumas fontes de estresse de longo prazo que podem ter efeitos psicológicos e fisiológicos prejudiciais.


Mas não precisam ser tão extremos sempre. Podemos considerar o exercício físico intenso e sem períodos de descanso e recuperação igualmente prejudiciais.


Respostas contínuas de luta ou fuga e atividade do eixo HPA são difíceis para o corpo. O estresse crônico pode aumentar o risco de várias condições de saúde, incluindo, entre outras:


Doença cardíaca Doença pulmonar Cirrose Câncer Diabetes Depressão Ansiedade Obesidade Hipertireoidismo Úlceras Disfunção sexual


Um estudo recente de Zhang et al. confirmou que o estresse pode realmente tornar seu cabelo prematuramente cinza.


Acontece que a noradrenalina, usada como neurotransmissor pela resposta do sistema nervoso simpático ao estresse, esgota uma população de células da pele chamadas células-tronco de melanócitos (MeSCs). Os MeSCs geram novos melanócitos, as células responsáveis ​​por dar ao cabelo seu pigmento.

Representação de um folículo capilar. Human Anatomy Atlas.


Zhang et al. descobriram que, devido a um certo receptor no exterior das MeSCs, a norepinefrina faz com que todas as MeSCs em um determinado folículo piloso se diferenciem em melanócitos de uma só vez. Na próxima vez que um pêlo crescer a partir desse folículo, não haverá melanócitos para dar pigmento, porque não existem MeSCs para gerar novos melanócitos.



Revisão rápida: Joguei muitas informações para você, então vamos recapitular com uma tabela útil! Os principais atores na resposta do corpo ao estresse são os seguintes:

Mensagem para levar pra casa: Embora a resposta aguda ao estresse seja importante para a nossa sobrevivência, ajudando-nos a reagir a tempo de sair de situações potencialmente fatais, experimentar o estresse crônico pode ter um efeito prejudicial à saúde.

Imagens: Human Anatomy Atlas.


Zhang, B., Ma, S., Rachmin, I. et al. Hyperactivation of sympathetic nerves drives depletion of melanocyte stem cells. Nature 577, 676–681 (2020). https://doi.org/10.1038/s41586-020-1935-3


Vídeo: Canal Autoridade fitness

0 visualização

Quer ficar por dentro das novidades?

Se cadastra aqui: 

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon

Balneário Camboriú - SC

(47) 9 9158 3050